Psicologia

O Curso de Psicologia foi Reconhecido pela Portaria nº 250 de 30 de junho de 2016 - D.O.U. de 01 de julho de 2016.

O profissional egresso do Curso de Psicologia terá uma formação abrangente e pluralista, fundamentada em pilares epistemológicos e teóricos visando à consolidação de práticas profissionais comprometidas com a realidade sócio-cultural, com perfil que o capacite a analisar o campo de atuação profissional e seus desafios contemporâneos, analisar o contexto em que atua profissionalmente em suas dimensões institucional e organizacional, identificar e analisar situações e necessidades de natureza psicológica, diagnosticar, planejar e intervir de forma coerente com referenciais teóricos, formular questões de investigação científica vinculando-as a decisões metodológicas quanto à escolha, coleta e análise de dados em projetos de pesquisa, com conseqüente seleção e utilização de instrumentos e procedimentos de coletas de dados.

O profissional egresso deve ser capaz de diagnosticar, avaliar e atuar em problemas humanos de ordem psíquica, cognitiva, comportamental e afetiva, coordenar e manejar processos grupais, atuar inter e multiprofissionalmente, realizar orientação, aconselhamento psicológico e psicoterapia, levantando questões teóricas e de pesquisa e gerando conhecimentos a partir de sua prática profissional. O psicólogo deve, outrossim, ser capaz de elaborar relatos científicos, pareceres e laudos técnicos, apresentar trabalhos e discutir ideias em público.

O curso de graduação em Psicologia deverá fornecer condições para que o profissional tenha capacidade de compreender as questões científicas, técnicas, sociais e econômicas da produção e de seu gerenciamento, observados os níveis graduais do processo de tomada de decisão, apresentando flexibilidade intelectual e adaptabilidade contextualizada no trato de situações diversas, presentes ou emergentes, nos vários segmentos do campo de atuação do psicólogo, seguindo os parâmetros definidos pelas Diretrizes Curriculares do curso.

O futuro profissional de Psicologia deverá seguir alguns parâmetros, caracterizando-se por elementos e princípios fundamentais definidos como sendo os seguintes:

  • Um ponto de vista objetivo e independente.
  • Domínio da competência técnica e das habilitações necessárias.
  • Desempenho das suas responsabilidades de forma ética, com altos padrões de qualidade e respeito a confidencialidade.
  • Reconhecimento de que há responsabilidade perante a sociedade como um todo, além da responsabilidade para com um usuário ou paciente de um sistema de saúde, cliente ou empregador específico.

No projeto pedagógico do curso de Psicologia serão observados os preceitos das diretrizes curriculares. Na periodização do curso, apresentam-se suas atividades ao longo de, no mínimo, 10 (dez) semestres letivos e, no máximo em 8 anos.

Os programas das disciplinas de Psicologia têm em comum dois itens considerados fundamentais: a inclusão de conhecimentos técnicos para enfrentar as complexidades crescentes do ambiente empresarial em geral, e a manutenção da eficiência profissional que requer um processo de aprendizagem contínua. Assim, os programas de ensino de graduação do curso de Psicologia estabelecem uma base da qual possa derivar-se uma aprendizagem contínua e o aperfeiçoamento da educação no campo da Psicologia para o futuro egresso.

Competências a serem Desenvolvidas pelo Egresso de Psicologia

Assim, o curso de Psicologia, deverá possibilitar a formação profissional que busque as seguintes competências e habilidades:

Fundamentos epistemológicos e históricos que permitam ao formando o conhecimento das bases epistemológicas presentes na construção do saber psicológico, desenvolvendo a capacidade para avaliar criticamente as linhas de pensamento em Psicologia;

  • Identificar de forma criteriosa a dimensão psicológica dos eventos humanos, individuais e coletivos, evitando reducionismos de qualquer ordem.
  • Compreender o processo histórico de construção da Psicologia enquanto campo de conhecimento e prática profissional, identificando seus marcos principais.
  • Relacionar os diferentes sistemas teóricos em Psicologia aos contextos social, econômico e político em que surgiram.
  • Analisar os principais sistemas teóricos em Psicologia, quanto a critérios intrínsecos de coerência e consistência dos seus argumentos.
  • Definir o fenômeno psicológico nos principais sistemas teóricos e comparar as concepções sobre a identidade da Psicologia que apresentam.

Fundamentos teórico-metodológicos que garantam a apropriação crítica do conhecimento disponível, assegurando uma visão abrangente dos diferentes métodos e estratégias de produção do conhecimento científico em Psicologia:

  • Identificar os diferentes sistemas em Psicologia em seus pressupostos epistemológicos e na concepção de ciência subjacente aos mesmos.
  • Compreender o processo histórico de configuração da prática profissional da Psicologia no Brasil.
  • Analisar as proposições e concepções que integram o campo da Psicologia através do domínio das regras do pensamento lógico.
  • Identificar, escolher e utilizar instrumentos e procedimentos de coleta e dados (observação, entrevistas, inventários, questionários, testes e escalas) em Psicologia, considerando a pertinência destes instrumentos aos problemas quanto ao uso, construção e validação.
  • Examinar relatos de pesquisa psicológica avaliando a qualidade das suas decisões metodológicas e seus impactos na confiabilidade dos enunciados.
  • Elaborar projetos de investigação científica.

Procedimentos para a investigação científica e a prática profissional, de forma a garantir tanto o domínio de instrumentos e estratégias de avaliação e de intervenção, quanto a competência para selecioná-los, avaliá-los e adequá-los a problemas e contextos específicos de investigação e ação profissional:

  • Dominar os instrumentos de avaliação disponíveis para os diferentes tipos de fenômenos psicológicos – cognitivos, afetivos, comportamentais.
  • Avaliar a qualidade psicométrica de instrumentos de investigação e intervenção psicológicas, escolhendo-os considerando o contexto específico de seu uso.
  • Escolher e planejar o uso de instrumentos para avaliação de fenômenos psicológicos, tais como: entrevistas, testes e escalas, inventários, questionários e observação entre outros considerando a natureza do problema e os objetivos da ação.
  • Coordenar e manejar processos grupais, considerando as especificidades do grupo e o contexto no qual está inserido.
  • Dominar procedimentos para avaliação dos resultados e impactos das intervenções psicológicas realizadas.
  • Saber vincular informações geradas pelo processo de diagnóstico a planos de intervenção frente a problemas psicológicos e psicossociais específicos.

Fenômenos e processos psicológicos, que constituem classicamente objeto de investigação e atuação no domínio da Psicologia, de forma a propiciar amplo conhecimento de suas características, questões conceituais e modelos explicativos construídos no campo, assim como seu desenvolvimento recente:

Interfaces com campos afins do conhecimento para demarcar a natureza e a especificidade do fenômeno psicológico e percebê-lo em sua interação com fenômenos biológicos, humanos e sociais, assegurando uma compreensão integral e contextualizada dos fenômenos e processos psicológicos;

  • Compreender os fenômenos psicológicos considerando as interfaces com os processos reguladores da vida biológica e com os mecanismos sócio-culturalmente construídos que estruturam a vida humana em coletividade.
  • Explorar como diferentes matrizes da psicologia vêem a relação desta ciência com outros campos disciplinares afins.
  • Analisar as diferentes concepções acerca da estrutura, desenvolvimento e organização da sociedade, problematizando as inter-relações entre os processos macro-sociais e os processos psicológicos e psicossociais.
  • Identificar as diferentes perspectivas de entendimento da cultura e sua relação com os fenômenos psicológicos e psicossociais.
  • Analisar a realidade social e cultural brasileira identificando elementos úteis para a compreensão de fenômenos psicológicos e psicossociais assim como as bases para os processos de intervenção.
  • Compreender a estrutura, o desenvolvimento e o funcionamento bio-fisioneurológico do organismo humano, identificando as inter-relações com os processos psicológicos.
  • Compreender os fenômenos os psicológicos, considerando as características da evolução filogenética que configurou a espécie humana e a sua capacidade adaptativa e transformadora do ambiente.
  • Identificar as bases genéticas do comportamento humano, analisando a possível determinação de características apresentadas pelos processos psicológicos – cognitivos, afetivos e comportamentais.
  • Identificar os efeitos de neurotransmissores e de drogas diversas sobre o funcionamento do sistema nervoso e seus impactos sobre os processos psicológicos de ordem cognitiva, afetiva e comportamental.
  • Relacionar os processos psicológicos – cognitivos emocionais e comportamentais – com as suas bases neurofisiológicas e neuroendócrinas.
  • Compreender a estrutura e funcionamento do cérebro humano e suas relações com processos psicológicos e comportamentais.

Práticas profissionais voltadas para assegurar um núcleo básico de competências que permitam a atuação profissional e a inserção do graduado em diferentes contextos institucionais e sociais, de forma articulada com profissionais de áreas afins.

  • Analisar o campo de atuação profissional, identificando seus desafios contemporâneos e tendências futuras.
  • Demonstrar atitude de acolhimento e respeito à diversidade, considerando os diversos segmentos populacionais inseridos em instituições educacionais (gênero, etnia, cultura, religiões, etc.).
  • Identificar e analisar necessidades de natureza psicológica, diagnosticar, elaborar projetos, planejar e intervir de forma coerente com referenciais teóricos e características da população-alvo.
  • Saber buscar e usar o conhecimento científico necessário à atuação profissional, assim como gerar conhecimento a partir da prática profissional.
  • Construir uma visão ampla do conceito de saúde e de saúde psicológica, identificando os determinantes psicossociaisda saúde e dos comportamentos humanos ligados à saúde.
  • Coordenar e manejar processos grupais, considerando as diferenças de formação e de valores dos seus membros.
  • Atuar inter e multiprofissionalmente, sempre que a compreensão dos processos e fenômenos envolvidos assim o recomendar.
  • Relacionar-se com o outro de modo a propiciar o desenvolvimento de vínculos interpessoais requeridos na atuação profissional.
  • Elaborar laudos, pareceres técnicos e outras comunicações profissionais.
  • Analisar o contexto em que atua profissionalmente em suas dimensões institucional e organizacional, explicitando a dinâmica das interações entre os agentes sociais.
  • Atuar profissionalmente em diferentes níveis de intervenção de caráter preventivo ou terapêutico, considerando as características das situações e dos problemas específicos com os quais se depara.
  • Realizar diagnóstico e avaliação de processos psicológicos de indivíduos, grupos e organizações.
  • Realizar orientação e aconselhamento psicológico.
  • Dominar os princípios, técnicas e lógica interna que configuram os processos de psicoterapia nas abordagens psicanalítica e comportamental.
  • Intervir em processos grupais em diferentes contextos.
  • Apresentar trabalhos e discutir ideias em público.
  • Atuar dentro das normas éticas que pautam o exercício profissional da psicologia.

Processos Psicológicos Básicos

  • Analisar, descrever e interpretar relações entre contextos e processos psicológicos e comportamentais.
  • Descrever, analisar e interpretar o significado das interações sociais no interior dos diversos agrupamentos dos quais os indivíduos, ao longo do seu ciclo de vida, participam, a exemplo de família, escola, grupos de trabalho etc., avaliando os seus impactos sobre os indivíduos e as instâncias coletivas.
  • Analisar, descrever e interpretar manifestações verbais e corporais como fontes primárias de acesso a estados subjetivos;
  • Utilizar criticamente as dimensões de ajustamento/desajustamento, equilíbrio /desequilíbrio e normalidade/anormalidade, saúde/doença para analisar processos psicológicos e psicossociais.
  • Identificar e compreender problemas humanos de ordem cognitiva, comportamental e afetiva em diversos contextos: individual, grupal, social e institucional.
  • Compreender, a partir de diferentes referenciais teóricos, os fenômenos e processos psicológicos e psicossociais em sua dimensão evolutiva ou desenvolvimental.
  • Dominar os processos psicológicos básicos (cognição, motivação, emoção e aprendizagem) que estruturam as relações do sujeito humano com seu ambiente físico e social, considerando os contextos culturais em que eles ocorrem.
  • Compreender como os processos de aprendizagem atuam na configuração da plasticidade com que o sujeito humano adapta-se ao seu contexto ou o transforma.
  • Compreender como os processos individuais influenciam e são influenciados pelas interações sociais no âmbito das as relações interpessoais, grupais, organizacionais e societais.
  • Analisar a dinâmica das relações humanas em diferentes contextos institucionais, tais como: família, escola, organizações, comunidade entre outros.
  • Atualizar-se constantemente com os avanços da pesquisa sobre os processos psicológicos básicos. 

As Atividades Complementares são práticas acadêmicas extra-curriculares, que devem ser cumpridas pelos alunos do curso de Psicologia ao longo do período de realização do curso. São práticas obrigatórias, ou seja, o aluno que não integralizar a carga horária correspondente às atividades complementares não poderá obter o seu diploma, mesmo que tenha obtido aprovação em todas as disciplinas do currículo do seu curso.

Acesse o Manual de Atividades Complementares.

Coordenadora: Profa. Dra. Ana Paula Melchiors Stahlschmidt
e-mail: psicologia@saofranciscodeassis.edu.br

Ana Paula Melchiors Stahlschmidt

Possui Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS no ano de 2002, Mestrado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 1998, Especialização em Violência Doméstica contra Criança e Adolescente pela Universidade de São Paulo, USP, no ano de 2004, Especialização em Psicologia Clínica pelo Conselho Federal de Psicologia, CFP, no ano de 2002 e Graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 1993.

e-mail: psicologia@saofranciscodeassis.edu.br
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/3733585201999930


Andrea Ferrás Wolwacz

Possui Doutorado em Programa de Pós Graduação em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 2014, Doutorado em Lingüística e Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 2012, Mestrado em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, no ano de 2009, Especialização em Estudos Avançados de Língua Inglesa pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 2001, Graduação em Licenciatura em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 1999 e Graduação em Licenciatura em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 1989.

e-mail: andrea@saofranciscodeassis.edu.br

Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/3898978537841725


Andres Kalikoske Teixeira

Possui Doutorado em Ciências da Comunicação e Mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), sendo bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Pesquisador no grupo de pesquisa Processos Comunicacionais (Processocom) na Unisinos. Desenvolve investigações sobre teorias da cultura, audiovisual, comunicação digital e convergência de mídias. Professor universitário em níveis de graduação e pós-graduação, respectivamente na Faculdade São Francisco de Assis (Unifin) e na Unisinos, onde atualmente é coordenador da Especialização em Televisão e Convergência Digital (Unisinos). Parecerista nas revistas científicas Intexto (UFRGS), Sessões do Imaginário (PUCRS) e Eptic On Line (UFS). Em 2012 publicou em Portugal o livro Economia Política das Indústrias Culturais, pela editora Media XXI. Experiência profissional em produção audiovisual no Canal Futura, Grupo Clarín (Buenos Aires, Argentina), onde atuou como correspondente internacional, e Grupo Bandeirantes.

e-mail: andres@saofranciscodeassis.edu.br
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/8035715116150885


Beatriz Viana dos Santos

Possui Mestrado em Lingüística e Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 2004 e Graduação em Licenciatura em Letras, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, no ano de 1990.

e-mail: bea.viana@saofranciscodeassis.edu.br
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/6879228665006326


Caroline Schneider Brasil

Possui Mestrado em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, no ano de 2003 e Graduação em Psicologia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, UNISINOS, no ano de 1998.

e-mail: carolinebrasil@saofranciscodeassis.edu.br
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/4398380091864713

 


Cláudia Maria Canestrine do Nascimento Bernardi

Possui Doutorado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 2010, Mestrado em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, UNISINOS, no ano de 1998, Especialização em Educação pela Universidade Federal de Pelotas, UFPEL, no ano de 1996 e Graduação em Psicologia Psicólogo pela Universidade Católica de Pelotas, UCPEL, no ano de 1989.

e-mail: claudianb@saofranciscodeassis.edu.br
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/0782663741086244


Cristina Py de Pinto Gomes Mairesse

Possui Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, no ano de 2003, Mestrado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 1999, Especialização em Psicopedagogia e Tics pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, no ano de 2015, Especialização em Educação Inclusiva pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 2007 e Graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 1993.

e-mail: cristina@saofranciscodeassis.edu.br
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/0538088603198766


Edson Roberto Oaigen

Possui Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, no ano de 1995, Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, no ano de 1990, Especialização em Pós Graduação Em Nível de Latu Sensu Em Biologia pela Faculdades Integradas de Santa Cruz do Sul no ano de 1982, Graduação em Biologia pela Universidade de Santa Cruz do Sul, UNISC, no ano de 1980 e Graduação em Licenciatura Curta em Ciências Naturais e Exatas pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Cachoeira do Sul  no ano de 1972.

e-mail: edson@saofranciscodeassis.edu.br
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/5996182466297217


Elisa Bertoletti

Graduada em Psicologia (2012) e Serviço Social (2007) pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, UNISINOS. Atualmente, cursa especialização em Avaliação Psicológica e em Atendimento Clínico com ênfase em Terapia Sistêmica de Casal e Família na UFRGS. Professora nos cursos de Direito e Psicologia da Faculdade São Francisco de Assis, UNIFIN, Porto Alegre, RS. Participa de pesquisa em temas relacionados à avaliação da personalidade e interesses profissionais. Atua como psicóloga clínica e perita na Justiça Estadual e Federal.

e-mail: 
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/9642545569095478

Ernani Ott

Possui Doutorado em C Econ y Empresariales Convalid Usp C Contábeis pela Universidad de Deusto no ano de 1997, Especialização Em Contabilidade pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, UNISINOS, no ano de 1982, Graduação em Ciências Contábeis pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, UNISINOS, no ano de 1980 e Graduação em Ciências Econômicas pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, UNISINOS, no ano de 1967.

e-mail: ernani@saofranciscodeassis.edu.br
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/6014537302206830


Evelyn Soledad Reyes Vigueras

Possui Doutorado em Medicina e Ciências da Saúde pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 2012, Mestrado em Clínica Médica e Ciências da Saúde pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 2005, Especialização em Psicoterapia Dinâmica pela Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, UFCSPA, no ano de 2003 e Graduação em Psicologia pela Universidade Luterana do Brasil, ULBRA, no ano de 2000.

e-mail: evelyn@saofranciscodeassis.edu.br
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/5370226024978670


 

Julio César Rodrigues Carneiro

Possui Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, no ano de 2010 e Graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 1992.

e-mail: juliocarneiro@saofranciscodeassis.edu.br
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/9580324675119893

Jaqueline da Rosa Monteiro

e-mail: 

Currículo lattes: 


Letícia Horn Oliveira

Possui Doutorado em Doutorado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, em andamento, Mestrado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 2007, Especialização em Psicologia Organizacional pelo Instituto de Desenvolvimento Global no ano de 2006 e Graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 2003.

e-mail: letíciah@saofranciscodeassis.edu.br
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/2247293999032012


Lisiane Hauser

Possui Doutorado em Epidemiologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, em andamento, Mestrado em Epidemiologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, no ano de 2012 e Graduação em Estatística pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, no ano de 2008.

e-mail: lisianehauser@saofranciscodeassis.edu.br
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/2273595289585167


Lucas Hoerlle Torres

Possui Mestrado em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, no ano de 2013 e Graduação em Administração pela Escola Superior de Propaganda e Marketing, ESPM, no ano de 2010.

e-mail: lucas@saofranciscodeassis.edu.br
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/8716693737500037


Márcia Aparecida Vitorello

Possui Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, no ano de 2013, Mestrado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 1998 e Graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 1991.

e-mail: marciavitorello@saofranciscodeassis.edu.br
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/5435575334794071


Mercês Sant Anna Ghazzi

Possui Mestrado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 2000, Especialização em Ativ. de Mudança na Formação em Saúde pela Fundação Oswaldo Cruz, FIOCRUZ, no ano de 2006 e Graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 1992.

e-mail: merces@saofranciscodeassis.edu.br
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/7298648561821683


 

Rebel Zambrano Machado

Possui Doutorado em Progragra de Pós-Graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, em andamento, Mestrado em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, no ano de 1998, Mestrado em Metodologias do Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 1997, Especialização de Preceptoria para o SUS pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês no ano de 2014, Especialização em Serviço Social em Segurança do Trabalho pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 1989, Especialização em Administração e Planejamento de Programas de Bem E., pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 1987, Especialização em Programas de Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, no ano de 1985, Aperfeiçoamento de Gestão em Atenção Primária pela University of Toronto, UTORONTO, Canadá, no ano de 2006 e Graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, no ano de 1979.

e-mail: rebel@saofranciscodeassis.edu.br
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/5476188943900107


 

Vânia Rosa da Silva

Possui Especialização em Educação Especial pela Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, no ano de 2010, Especialização em Educação Inclusiva, pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci no ano de 2008, Especialização em Capacitação em Formação de Professores para a ed.e. pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, no ano de 2006, Aperfeiçoamento em AEE-Atendimento Educacional Especializado pela Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, no ano de 2009, Aperfeiçoamento em multiplicadores de surdocegueira e deficiência mul. Pelo Ministério da Educação, MEC, no ano de 2007 e Graduação em Pedagogia- Ed.Infantil e Séries Iniciais e discipl. Pela Universidade Luterana do Brasil, ULBRA, no ano de 2003.

e-mail: vania@saofranciscodeassis.edu.br
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/0112028445554203

 

 

O Estágio Curricular é obrigatório e faz parte da Grade Curricular do Curso de Psicologia.

O que é Estágio?

Segundo a Lei 11.788/2008, o estágio faz parte do projeto pedagógico do curso, além de integrar o itinerário formativo do educando. O estágio visa ao aprendizado de competências próprias da atividade profissional e à contextualização curricular, objetivando o desenvolvimento do educando para a vida cidadã e para o trabalho. O estágio poderá ser obrigatório ou não-obrigatório, conforme determinação das diretrizes curriculares da etapa, modalidade e área de ensino e do projeto pedagógico do curso.

  • Estágio obrigatório é aquele definido como tal no projeto do curso, cuja carga horária é requisito para aprovação e obtenção de diploma.
  • Estágio não-obrigatório é aquele desenvolvido como atividade opcional, acrescida à carga horária regular e obrigatória.

As atividades de extensão, de monitorias e de iniciação científica na educação superior, desenvolvidas pelo estudante, somente poderão ser equiparadas ao estágio em caso de previsão no projeto pedagógico do curso. O estágio, tanto obrigatório quanto não-obrigatório, não cria vínculo empregatício de qualquer natureza, observados os seguintes requisitos: – matrícula e freqüência regular do educando em curso de educação superior, de educação profissional, de ensino médio, da educação especial e nos anos finais do ensino fundamental, na modalidade profissional da educação de jovens e adultos e atestados pela instituição de ensino; – celebração de termo de compromisso entre o educando, a parte concedente do estágio e a instituição de ensino; – compatibilidade entre as atividades desenvolvidas no estágio e aquelas previstas no termo de compromisso. O estágio, como ato educativo escolar supervisionado, deverá ter acompanhamento efetivo pelo professor orientador da instituição de ensino e por supervisor da parte concedente, comprovado por vistos nos relatórios referidos no inciso IV do caput do art. 7o da Lei 11.788/2008 e por menção de aprovação final. O descumprimento de qualquer dos incisos da Lei ou de qualquer obrigação contida no termo de compromisso caracteriza vínculo de emprego do educando com a parte concedente do estágio para todos os fins da legislação trabalhista e previdenciária. A realização de estágios, nos termos da Lei, aplica-se aos estudantes estrangeiros regularmente matriculados em cursos superiores no País, autorizados ou reconhecidos, observado o prazo do visto temporário de estudante, na forma da legislação aplicável. As atividades de aprendizagem social, profissional e cultural, proporcionadas ao estudante pela participação em situações reais da vida e trabalho de seu meio, sendo realizada na comunidade em geral ou junto a pessoas jurídicas de direito público ou privado, sob responsabilidade e coordenação da instituição de ensino.

Essas considerações fazem com que o estágio seja analisado como parte integrante da formação educacional e profissional do estudante, ambas garantidas pela Constituição Federal de 1988 e pela Lei nº 9.394/96 (LDB), contemplando, assim, a aplicação prática das teorias aprendidas em sala de aula. Outro ponto de destaque é a diversidade das oportunidades de estágio, ou seja, são oferecidas, por empresas e entidades afins, nas mais diversas áreas de formação, o que garante uma grande abrangência para a qualificação dos mais diversos profissionais requeridos pelo mercado de trabalho. Essa inserção do estudante em um ambiente real de trabalho busca adequá-lo às exigências do mercado, familiarizando-o com o contexto empresarial e suas atividades na sua futura profissão. Assim, o estágio funciona como formador de Recursos Humanos para as empresas e outras instituições, o que é fundamental para o seu desenvolvimento e crescimento contínuo. Mais do que formar Recursos Humanos, o estágio busca a formação de Talentos, que serão a base para o desenvolvimento dos futuros líderes do país. Todavia, para que tudo isto seja possível, o estágio deve ocorrer na área de formação do aluno, sendo adequado ao semestre que se está cursando, permitindo uma atuação prática na área de sua futura formação. Outro fator importante neste aspecto é que todas as partes envolvidas devem buscar a promoção de um estágio de qualidade, tendo cada um, desta maneira, responsabilidades específicas.

Quais os tipos de estágio?

Há muita confusão sobre a nomenclatura utilizada na área de estágio. Fala-se, erroneamente, de estágio curricular e não-curricular ou de estágio formal e informal. Esses conceitos não condizem com a realidade, uma vez que, sendo o estágio uma forma de completar a educação do estudante, ele deve proporcionar aprendizagem ao aluno na sua área de formação, tendo que ser curricular e formal. Assim, o que existe é o estágio curricular obrigatório, que está previsto na grade de matérias do curso de formação do aluno, e o estágio curricular não obrigatório, que não conta créditos para a formação do aluno, mas que possui uma grande importância para a sua formação. Observação: Não existe Estágio Extra Curricular, pois todo estágio precisa estar condizente com a realidade do curso ao qual o estudante está vinculado.

Acesse o Manual de Colação de Grau

 


SEGUNDA FORMATURA - 2º semestre de 2017

Comissão de Formatura: e-mail formandos20172@saofranciscodeassis.edu.br


PRIMEIRA FORMATURA – 2º semestre de 2016

A Cerimônia foi realizada na Faculdade São Francisco de Assis em 20/03/2017.

Formandas: Fabiana Cardoso de Cardoso, Nadielli Roberta Bruschi, Rafaela Alchieri Davila e Thais Braga Piedade.

 

O Curso de Psicologia tem carga-horária de 4.288 horas/relógio realizado em 10 (dez) semestres.

As aulas são ministradas de segunda a sexta-feira das 19h03min às 22h40min, com oficinas de estudo (aulas de reforço, facultativas aos sábados).

Encargos Educacionais Graduação 2018

Valores para alunos novos, para informações sobre valores de veteranos acessar portal do aluno.

Tabela de valores líquidos, consultar valores brutos.

O número mínimo de créditos a cursar é 4 (1 disciplina) desde o 1º semestre do curso.

O boleto bancário deve ser emitido, ao final de cada mês, SOMENTE pelo portal do aluno.

 

Ensino de qualidade com preço diferenciado.

Acesse o Contrato de Prestação de Serviços Educacionais e os Editais do Programa de Incentivos

 

O Trabalho de Conclusão de Curso no que couber a legislação vigente consiste em pesquisa individual orientada, relatada sob a forma de um artigo científico, em qualquer área de conhecimento do Curso.

Os objetivos gerais do Trabalho de Conclusão de Curso são os de propiciar aos alunos do curso de graduação a ocasião de demonstrar o grau de habilitação adquirido, o aprofundamento temático, o estimulo à produção científica, à consulta de bibliografia especializada e o aprimoramento da capacidade de interpretação crítica.

Os artigos deverão ser inéditos, ou seja, não terem sido publicados em qualquer órgão editorial.

O Trabalho de Conclusão de Curso é desenvolvido sob a orientação de um professor do Curso.

O Trabalho de Conclusão de Curso é atividade de natureza acadêmica e pressupõe a alocação de parte do tempo de ensino dos professores à atividade de orientação, na forma prevista nas normas internas.

Considera-se aluno em fase de realização do Trabalho de Conclusão de Curso, aquele regularmente matriculado na disciplina respectiva, pertencente ao currículo do Curso de Graduação.

O artigo científico, expressão formal do Trabalho de Conclusão do Curso, deve ser elaborado considerando-se:

I -    na sua estrutura formal, os critérios técnicos estabelecidos nas normas da ABNT sobre documentação, no que forem eles aplicáveis;

II -   no seu conteúdo, a vinculação direta do seu tema com um dos ramos do conhecimento, preferencialmente aqueles identificados pelas disciplinas ofertadas no currículo.

Os artigos deverão ser elaborados de acordo com regulamento de elaboração de trabalhos de conclusão de cursos da Faculdade São Francisco de Assis.

A versão definitiva do Trabalho de Conclusão de Curso deve ser encaminhada à Coordenação de Trabalho de Conclusão de Curso em 2 (duas) vias, além dos demais requisitos exigidos neste Regimento.

Acesse o Manual de Normas e Apresentação de Trabalhos Escolares

Acesse os professores através do item: Corpo Docente

Titulação:
e-mail: professores@saofranciscodeassis.edu.br
Currículo lattes: